Será suficiente ser bilingue?

Será suficiente ser bilingue para ser tradutor? Pedi aos meus seguidores no Facebook, que me dissessem o que consideram mais importante num tradutor, ser bilingue ou um curso de tradução. Os participantes responderam que consideravam mais importante um curso de tradução, ser bilingue não era suficiente.      

Por que é que não é suficiente?

Existe uma ideia generalizada de que os tradutores apenas necessitam de ser fluentes nas línguas com as quais trabalham. Isto leva a outra ideia generalizada de que o nosso trabalho é muito simples e que, por isso, até um filho ou sobrinho com boas notas na escola o pode fazer. O resultado, é a desvalorização maciça da nossa profissão, porque as pessoas nos vêem como trabalhadores não qualificados.   

Uma pessoa bilingue pode ser capaz de ter uma conversa fluente em duas línguas, pode ser capaz de produzir um texto nas duas línguas, mas pode não conseguir ser tradutor. Ao contrário do que muitos podem pensar, nós somos profissionais altamente qualificados, o nosso trabalho é bastante complexo, não “convertemos apenas palavras”, ligamos culturas. Temos de respeitar essas culturas e quando “convertemos a mensagem”, temos de ter a certeza que esta está adequadamente “convertida”, para que essa ligação seja feita apropriadamente. Para isso, apenas saber duas línguas não é suficiente. É por isso que precisamos de formação, e esta vem na forma de um curso de tradução.

Um curso de tradução não é um curso de línguas. Não aprendemos línguas neste curso, na realidade, a competência linguística é um dos requisitos de matrícula. Lembro-me de ter feito um teste de Inglês oral e escrito com o British Council em Lisboa, como um pré-requisito de matrícula para o curso. No curso aprendemos técnicas de tradução, aprendemos traços culturais e somos treinados para traduzir de uma língua para outra. É isso que nos faz tradutores.

Actualmente, estamos a viver tempos em que uma boa tradução nunca foi tão importante. Estamos a enfrentar uma pandemia mundial e é importante que a população mundial receba a melhor e mais exacta informação sobre esta, para que se possa proteger melhor contra ela. É, portanto, fundamental que toda a informação médica e outra seja traduzida por um tradutor profissional, especializado nesta área. Isto irá assegurar que recebe a informação correcta, e entregue com exactidão, para que possamos saber o que fazer. Um filho ou sobrinho com boas notas não será capaz de o fazer, e terá de ser um tradutor profissional.