O sol nasce para a Qantas

O sol nasce para a Qantas. Na semana passada, Alan Joyce, o Director Executivo da Qantas anunciou o seu “Project Sunrise” (Projecto Sol Nascente). Este é um passo gigante para a transportadora aérea nacional australiana, mas é também um grande passo para a aviação. A companhia aérea está a passar por uma grande renovação da sua frota que trará conforto, ambiente e inovação à empresa.    

“Project Sunrise” (Projecto Sol Nascente)

Este projecto verá o sol brilhar para milhões de passageiros, todos os anos. Segundo um Comunicado de Imprensa publicado pela companhia aérea, na semana passada, a Qantas tomou decisões muito importantes, no que respeita à sua frota. A empresa irá encomendar 12 novos Airbus A350-1000, que possuem a capacidade de efectuar voos, sem paragens, entre a Austrália e Europa ou EUA.  

É esperado que os 12 aviões comecem a chegar em 2025 e a entrega será finalizada em 2028.  Alan Joyce afirmou também que este projecto será carbonicamente neutro, desde o primiro dia. Os motores Rolls-Royce Trent XWB-97 do A350-1000 são 25% mais eficientes em termos de combustível do que os seus antecessores.   

Project Winton (Projecto Winton)

A Qantas está também a renovar a sua frota doméstica. O projecto chama-se Projecto Winton, num tributo à vila de Winton, onde a companhia aérea nasceu há 101 anos atrás. Para este projecto, a empresa comprará 20 Airbus A321XLR e 20 A220-300, a serem entregues no decurso desta década. Estes aviões irão substituir os actuais Boeing 737 e Boeing 717. Espera-se que as entregas tenham inicio no final de 2024.                 

Estes aviões terão motores Pratt & Whitney Turbo Fan Geared, motores PW1100G-JM e PW1500G para ser mais precisa. Estes aviões são também eficientes em termos de combustível e menos ruidosos. De acordo com o comunicado de imprensa da Qantas, o A220-300 consume 28% menos combustível por passageiro, do que o Being 717, enquanto que o A321XLR consome 17% menos combustível por passageiro, que o Boeing 737. O ruído será também reduzido em 50%. 

Alan Joyce afirmou que estes aviões se tornarão a espinha dorsal da frota doméstica da empresa, nos próximos 20 anos. Isto irá também permitir à companhia aérea aumentar as suas rotas e a sua rentabilidade.  Os novos aviões serão espalhados pelas horas de maior e menos fluxo de passageiros, o que significa que haverá mais rotas directas a horas diferentes do dia. Isto dará aos passageiros oportunidade de escolha. A Qantas afirma também que o conforto será também uma característica principal deste projecto.   

Qantas segue em frente

Não há dúvida que a aviação tem sido testada nos últimos 2 anos. As companhias aéreas sofreram grandes perdas e perturbações, devido à pandemia. Agora está na altura de dar a volta por cima e recomeçar de novo. Estamos também num tempo crucial para o Planeta, e mais uma vez a aviação é parte disso. A Qantas está a fazer isso, tendo aviões que são eficientes em termos de combustível, utilizando SAF e reduzindo o ruído. Parece que também ouviram as queixas das pessoas, e uma das maiores queixas é relativamente ao espaço e conforto a bordo. A empresa promete opções de conforto, escolha e ambientais, portanto parecem estar a ir pelo caminho certo

Deixe uma resposta