Outrora Ribatejo, agora Tejo

Outrora Ribatejo, agora Tejo. Esta é outra região vinícola portuguesa que sofreu grandes alterações à sua produção e como resultado, obteve melhores vinhos e um nome diferente.  A título pessoal, devo dizer que discordo com o actual nome, uma vez que Ribatejo é o nome da região geográfica e até o selo de Demoninação de Origem possui o nome Ribatejo. Estou certa que alguns peritos em vinhos portugueses concordarão comigo.

A região

O Ribatejo é famoso pelas sua lezírias, a famosa lezíria ribatejana,  que podem ser encontradas ao longo do Rio Tejo, a grande figura desta região. É também o rio que influencia quer o clima como o solo da região. De uma maneira geral, o clima do Ribatejo é Mediterrânico, a presença do rio produz um clima mais temperado que normalmente é ameno ao longo de todo o ano. O rio influencia também o solo, ao longo das suas margens temos as famosas lezírias, à direita destas temos bairro enquanto que à esquerda encontrará charneca. A região está dividida em 6 sub-regiões: Tomar, Santarém, Chamusca, Cartaxo, Almeirim e Coruche. A região sofreu uma enorme transformação nos últimos 15 anos. A produção de vinhos passou para as áreas mais interiores, o que baixou a produção. Contudo, a qualidade melhorou significativamente.

As uvas

A legislação nesta região é um pouco laxa e isso permitiu a introdução de várias castas internacionais, tais como Cabernet Sauvignon, Merlot ou Chardonnay. Mas o Ribatejo também produz castas nativas. As castas brancas mais comuns são Arinto, Rabo de Ovelha e Fernão Pires que é a casta predominante nesta região. Os tintos são produzidos com Alfroncheiro, Aragonez, Baga, Castelão, Trincadeira e a famosa Touriga Nacional.

Os vinhos

Após uma grande restruturação, o Ribatejo, agora conhecido por Tejo, começou a produzir menos vinhos, mas a qualidade melhorou significativamente. Devido a uma legislação permissiva, os produtores podem experimentar com as castas. Castas que não são originalmente admitidas no selo de Denominação de Origem são permitidas no Ribatejo. Independentemente de possuirem os Selo DOC ou não, os vinhos desta região possuem características semelhantes. Os brancos são frutados com aromas tropicais e florais e os tintos são jovens, aromaticos e apresentam taninos bastante suaves. Juntos com a excelente gastronomia da região, são certamente uma boa razão para visitar o Ribatejo.

Fonte: Infovini

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *