Tradução de Documentos

Grande parte da vida de um tradutor é passada a traduzir documentos.  Certidões de Nascimento, Certidões de Casamento, Diplomas, relatórios, documentos legais, tudo o que é necessário para obter a identificação de uma pessoa, bens ou o seu estado civil. Vivemos num mundo global e as pessoas movem-se à velocidade de aviões cruzando os céus, mas o mundo global ainda não está tão unificado, ao ponto que a documentação se torne universal. Não estamos apenas a falar da língua. O tipo de documentos necessários e aceites num país, pode ser muito diferente do tipo de documentos necessários ou aceites noutro. Escolher um tradutor qualificado, com conhecimento específico do país da língua de chegada torna-se ainda mais importante, para que os termos correctos sejam escolhidos adequadamente, e para que o cliente seja informado devidamente.

Ao traduzir documentos, o tradutor necessita também de ser extramente cuidadoso, ao manusear os dados do cliente. Muitas vezes, estes são documentos pessoais, com uma grande quantidade de dados legais, onde conhecimentos específicos são necessários e partilhados. É portanto muito importante, que tudo seja manuseado com a máxima confidencialidade.  O tradutor pode também apurar a finalidade da tradução. Se o documento é necessário para fins altamente legais, é normalmente necessário que sejam certificados legalmente, uma capacidade que o tradutor poderá ou não possuir e que o cliente poderá ou não desejar obter do tradutor.  Documentos certificados implicam um custo mais elevado, para cobrir quasiquer custos adicionais em formação, certificação ou até custos de deslocação.

Uma boa tradução de um documento, manter-se-á fiel ao original. Isto significa que necessita de trabalho extra, por parte do tradutor, no que respeita a formatação da tradução, para que tenha a mesma aparência do que o original. Em vez de traduzir apenas um texto, o tradutor terá de replicar o alinhamento do texto, formatar e mencionar quaisquer fotografias/sêlos/logotipos que possam estar ausentes na tradução, mas que estejam presentes no original, para que a entidade certificadora ou a entidade à qual se destina a tradução, esteja ciente de que estas características adicionais presentes no documento original, não são informacão relevante, no que respeita a tradução.     

A minha experiência principal no que respeita à tradução de documentos é entre o Reino Unido e Portugal. Embora (ainda) pertença à União Europeia e muito documentos sejam fácilmente obtidos e transferidos em ambas as línguas, dá-se muitas vezes o caso em que o Reino Unido retêm certas características que não são equivalentes. Uma dessas características é a ausência total de um Cartão de Identificação, e, em muitos casos, a falha no reconhecimento destes como documentos válidos no Reino Unido. Em Portugal, o Cartão de identificação é superior à Certidão de Nascimento, esta é ainda um documento importante no Reino Unido, onde mais nenhum documento é oficialmente necessário como forma de identificação. O nível de burocracia existente nos dois países também difere grandemente, tendo o Reino Unido um sistema predominantemente mais rápido e mais electrónico, e Portugal requerendo ainda muitos requerimentos físicos, na forma de requerimentos a requerir mais requerimentos. Um bom tradutor estará ciente destas limitações e restrições temporais, para poder dar um melhor aconselhamento ao seu cliente, e evitar que este fique decepcionado.    

Traduzir documentos pode ser um ponto de começo para muitos tradutores, devido à procura por este tipo de trabalho, mas não é , de qualquer forma,  menos importante manter o seu alto nível de qualidade, o qual deveria ser tido quer pelo tradutor, como pelo cliente.   

Inês

Leave a Comment