Confraternização entre Tradutores

Hoje escrevo sobre a importância da confraternização entre tradutores e das dificuldades que alguns podem ter em fazê-lo. Ser tradutor é um trabalho extraordinário, mas é também um trabalho muito solitário. Especialmente, se trabalharmos como freelancers. Passamos os dias no escritório e temos muito pouca interacção física com outras pessoas. Por isso, a hipótese de conhecer outros colegas é uma excelente oportunidade para quebrar essa rotina. É também uma oportunidade para falar da nossa profissão e dos problemas que atravessamos, por forma a encontrar uma solução para todos.

Alguns Fóruns e Associações organizam este tipo de eventos, para os seus membros. Por exemplo, o Proz.com chama estes eventos de “powwows”. Eu participei num que aconteceu em Sydney, há uns anos atrás. Foi organizado por membros localizados nesta área, e anunciado através do Fórum. A AUSIT  também organiza este tipo de eventos, chama-lhes “eventos de socialização”. Neste caso, o evento é organizado pela Associação e comunicado aos membros, através de email. Alguns destes eventos são gratuitos, noutros temos de pagar uma pequena taxa.

O que fazemos nestas reuniões?

Normalmente, os eventos de socialização são criados para conhecermos outros colegas, na nossa área e para falarmos da nossa profissão. Alguns podem trabalhar com o mesmo par de línguas que nós, mas iremos verificar que a maioria trabalha com outro par de línguas. Pelo menos essa foi a minha realidade, quando participei no “powwow” há uns anos atrás. Mas, para além do aspecto social, há também a parte profissional destes eventos. Utilizamo-los como forma de discutir possíveis problemas que tenhamos encontrado. Por vezes, outros colegas também tiveram o mesmo problema e assim, podemos discutir o assunto e possivelmente encontrar uma solução. Falamos do mercado e de novas estratégias para enfrentar desafios.

Dificuldades que alguns podem ter em participar nestes eventos

Embora estes eventos sejam uma parte muito importante do nosso desenvolvimento profissional, por vezes é difícil participar e isso pode ser bastante frustrante. Por exemplo, no meu caso, não tenho sido capaz de participar em alguns eventos, pois não consigo conciliar estes com a rotina da minha filha de três anos. Adoraria participar, mas até agora, ainda não fui capaz de participar num evento. Outros colegas podem ter outros problemas que os proíbam de participar. Contudo, é muito importante que o façamos, e eu estou certamente ciente disso.

Cátia